top of page
Dentist Chair Talks

FLÚOR. Mitos & Realidade by Dra.Joana Luís

Temos vindo a procurar alternativas mais saudáveis, ecológicas e naturais nos hábitos de vida, na alimentação e também nos produtos que utilizamos habitualmente. Uma das preocupações são os produtos de higiene oral, como escovas e pastas de dentes, os seus invólucros e embalagens de plástico, e ainda a sua longa lista de ingredientes, muitos deles artificiais.

Nestas opções de pastas mais naturais que surgem no mercado, um denominador comum é a ausência de flúor que vamos ouvindo aqui e ali que faz mal, que é tóxico. Mas o dentista diz o oposto, que é essencial. E agora? Qual a opção que devemos seguir?


VAMOS PERCEBER MELHOR ... O QUE É O FLUOR? É um elemento que pode ser encontrado naturalmente nos solos, nas águas, em algumas plantas e animais e que consumido numa concentração ideal, é benéfico para a integridade dos nossos ossos e dentes. A introdução do flúor foi aceite como a medida de saúde pública mais eficaz na prevenção da cárie dentária que é considerada a patologia crónica mais comum da infância e que, em alguns casos, pode afetar a capacidade mastigatória, levando a atrasos no desenvolvimento da criança.


COMO PODE O FLÚOR SER BENÉFICO? O flúor ajuda a prevenir a cárie de duas formas distintas. A primeira, ainda no período de crescimento e desenvolvimento dos dentes, ligando-se ao esmalte dentário e tornando-o mais resistente. A segunda , após a erupção dentária, em que o flúor presente na cavidade oral vai ajudar na remineralização da superfície dos dentes. Pesquisas recentes provaram que a maior ação ocorre por este segundo mecanismo, portanto por via local ou tópica. Em Portugal Continental, os valores de fluoretos presentes de forma natural nas águas são geralmente baixos e estas não estão sujeitas a fluoretação artificial. Para além disso, os níveis de fluoretos são controlados regularmente, visando o melhor interesse para a saúde pública pelo que a questão da toxicidade crónica de flúor não se coloca. Desta forma, torna-se ainda mais importante introduzir o flúor na rotina de higiene oral das nossas crianças.


ONDE PODEMOS ENCONTRAR FLUOR? Em alguns países foram tomadas medidas preventivas, tais como a fluoretação das águas, do sal e de algumas fórmulas lácteas infantis, medidas que são efectivas na redução da cárie dentária. E , claro, podemos encontrar flúor nas pastas dentífricas e elixires. Acaba por ser nos jovens que o flúor nas pastas de dentes se torna ainda mais importante, pois apesar de sabermos que um dos principais mecanismos de prevenção da cárie dentária é a remoção mecânica da placa bacteriana sobre a superfície dos dentes, sabemos também que esta remoção geralmente não é tão eficaz em idades mais precoces, quer pela menor destreza de movimentos quer pela falta de colaboração na hora de escovar os dentes. Para além disso, muitas vezes apresentam uma alimentação rica em hidratos de carbono e uma maior frequência nos “snacks”, levando a um aumento de risco de cárie.


E AFINAL, O FLÚOR FAZ MAL? Não. Não. Não, se for consumido da quantidade indicada. Nos últimos anos o flúor tem sido indicado como responsável por inúmeras doenças tais como osteoporose, autismo e doenças oncológicas, no entanto, nenhuma correlação chegou a ser comprovada quando consumido em doses controladas. Tal como em todos os produtos, medicamentos ou alimentos, a ação benéfica ou tóxica dos mesmos depende da quantidade ingerida. Foi também verificado que em alguns casos, pela ingestão crónica de fluoretos, algumas crianças apresentaram uma coloração diferente nos dentes, chamada fluorose dentária. Esta fluorose pode ir de um grau leve e pouco perceptível a um grau severo com manchas de coloração acastanhada. O importante a reter aqui é que em qualquer um destes casos, o flúor é ingerido em quantidades muito superiores (5 a 10 vezes mais) do que é aconselhado.


COMO "CONSUMIR " FLUOR DE FORMA SEGURA ? Assim, a recomendação passa por utilizar pastas dentífricas com uma quantidade de flúor adequada ao risco individual cada criança, mas limitar a quantidade de pasta que é colocada sobre a escova (UMA ERVILHA!...) Assim, obtemos todos os benefícios do flúor relativamente à prevenção da cárie dentária, sem as consequências da ingestão excessiva do mesmo.


49 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page